Capitalismo, violência e conservadorismo

Por Roberta Traspadini
(Conheça aqui nosso time de colunistas)

A história do capitalismo é a história da violência real e simbólica contra os povos lutadores e os territórios. Em nome da acumulação de capital os proprietários privados dos meios de produção expropriam terras, espoliam pessoas e transformam em mercadoria o que antes tinha outra dimensão sociocultural: a vida.

Apesar de particular e datada historicamente, a produção capitalista se apresenta com ares de história geral da humanidade, à luz do reconhecido desenvolvimento tecnológico alcançado nos últimos 300 anos.

No entanto, qual o fundamento do desenvolvimento tecnológico? A propriedade privada dos meios de produção ou a capacidade onto-criativa do ser humano de, ao criar novas técnicas, melhorar o sistema em que vivemos? A primeira é recente na história, mas torna dependente e subverte a segunda. A segunda é a própria história da humanidade em sua relação com a natureza e demais seres, sendo ao longo dos últimos 500 anos subsumida, formal e realmente, aos ditames do capital.

O movimento de associar progresso e capitalismo sem as mediações necessárias sobre a terra e o trabalho, simplifica a complexa produção de vida, produzindo um alienado sentido comum reprodutor da idéia dominante. Por exemplo: a hegemonia da matriz energética; produtiva de alimentos; educativa.

A propriedade privada e as múltiplas formas e conteúdos de trabalhos privativos de autonomia subordinados à violenta dinâmica do capital, deveria nos remeter à memória-história de produção de vida nos territórios para além do capital. Mas a hegemonia do capital gera os sentidos de vida advindos destes mandatários, cujas leituras ideológicas são produzidas e propagadas por eles de forma homogeneizada para serem repetidas e defendidas por todos.

Um breve exemplo da dificuldade reflexiva sobre a atual educação brasileira.

Segundo o censo do INEP de 2013, das 2.391 instituições de ensino superior no Brasil, 2090 são privadas e 301 são públicas. São 7.305.977 pessoas matriculadas em cursos de graduação, com 5.373.450 nas privadas e 1.932.527 nas públicas. São 367.282 professores (na rede pública, 155.219; na rede privada, 212.063). Façamos uma conta simples sobre o total de alunos nas públicas dividido pelo total de professores, teríamos: 5.373.450/155.219=34,62 alunos por professor na rede pública, em detrimento a 9,11 alunos por professor na rede privada.

A iniciativa privada, protagonista da educação-mercadoria, conta com o FIES, em sua parceria com o Estado, política clara contra o estudante-trabalhador. Para os donos da mercadoria educação, o FIES é a âncora que lhes permite ter altas taxas de lucro com risco zero de inadimplência. Para os estudantes-trabalhadores significa a intensificação da superexploração da sua força de trabalho, uma vez que aos baixos salários médios e precarizados, se soma uma dívida futura não negociável.

Por que os neoconservadores não discutem o poder na breve historia do capitalismo? A violência emanada da desigualdade capitalista, estrutura e significa o papel, de classe, do Estado frente à intensificação da opressão de classe. As marchas conservadoras, tendo como palco os símbolos patrióticos, não explicitam a origem e o fim da violência dado que não colocam no centro da discussão a estrutura desigual real por trás dos fatos contemporâneos.

Anúncios

Um comentário sobre “Capitalismo, violência e conservadorismo

  1. helena almeida 16/04/2015 / 21:16

    Excelente texto. Reveja as contas, os dados não são dos alunos da rede pública, são da privada. Revise. Parabéns Abraço Helena

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s