As mulheres e a conjuntura

Por Isabella Miranda

Belo Horizonte, Julho de 2013, moradores das ocupações urbanas organizadas da cidade ocupavam a Prefeitura pelo reconhecimento do direito à cidade e a moradia adequada, enfrentando o aparato policial ostensivo e a proibição de se alimentarem. Entre as ocupantes, Fabiana dos Santos, mulher negra de 31 anos, amamentava seu filho recém-nascido através das grades do portão da sede da administração municipal. Um jornalista com tom condenatório a inquiriu por que não abandonava a ocupação para cuidar de seu filho, que fora impossibilitado de entrar. Com simplicidade e muita força, Fabiana respondeu: Eu não tenho apenas um filho aí fora, mas cinco, se eu abandono a luta onde eles irão morar?

A luta de Fabiana, assim como a luta e a resistência cotidiana da maior parte das mulheres periféricas, dificilmente entrará nas narrativas oficiais sobre Junho de 2013, ou seja, estão fora da grande História, com H maiúsculo. Da mesma forma, em meio aos embates políticos de 2016, onde a crise do PT ocupa a centralidade da agenda, várias ações no mês da mulher irão focar a defesa ou ataque ao governo.

Nesse ambiente instável e espetacular onde partidos, movimentos e coletivos se organizam em torno de mobilizações e ações performáticas que visam demarcar posicionamentos na conjuntura, a resistência cotidiana das mulheres também dificilmente “entrará para a História”. Tem gente que acusa a pauta feminista de dividir a classe trabalhadora, mas o que realmente está nos dividindo hoje?

Nesse ano, em várias cidades brasileiras as marchas do 8 de março foram rachadas em função do ataque ou da defesa do governo. Em São Paulo o ato unificado das mulheres foi atropelada por demarcações, violências de homens e de mulheres, embates e conflitos que estão longe de representar os problemas centrais e as contradições que perpassam nossas vidas.

Os conflitos palacianos da elite política brasileira e o frenesi da ameaça de golpe deslocam do centro para as margens as lutas  que unificam as mulheres como a legalização do aborto, o combate à violência, o ajuste fiscal, o corte nas políticas sociais, o desemprego, a precarização do trabalho, a terceirização, a reforma da previdência…

E tudo isso ocorre em uma conjuntura política e econômica onde somos nós as mais afetadas pelo desemprego, pela superexploração do trabalho, pelo aumento da violência, pelos ajustes e pela precariedade da saúde, da educação, pela falta de creches e etc.

O capitalismo em crise em uma sociedade patriarcal atribui, via de regra, a responsabilidade pelos males da sociedade às mulheres: pela violência urbana, já que não criamos bem nossos filhos; pelo cuidado com idosos e crianças,  já que as políticas públicas não funcionam; pela violência do marido que está desempregado; pela gravidez que somos obrigadas a manter… E com isso o conservadorismo avança contra nós. Por isso companheiras,  precisamos mais do que nunca estar juntas e ocupar a centralidade da pauta!

Muitas de nós, cansadas de ações espetaculares e distanciadas das mulheres, resolvemos nesse 8 de Março intensificar nossas lutas. Movimentos, coletivos e frentes de mulheres ocupamos prédios vazios, centros de assistência social, linhas de trem, terras ociosas, organizamos mostras feministas e lutas por toda a cidade… Esperamos com isso deixar um recado claro para nossos companheiros: é preciso que a esquerda entenda que o Brasil é maior e mais fundo do que o palácio do planalto, precisamos resgatar a combatividade da nossa gente, o valor da ação direta e da auto-organização na base para colocarmos as nossas pautas no centro. Até que sejamos todas verdadeiramente livres!

12833393_10153801774921311_191753190_nQuando o Estado falha no cuidado para quem sobra? Na foto acima, Charlene Cristiane, coordenadora da ocupação Rosa Leão (1.500 famílias), durante a ocupação do CRAS no 8 de Março pelo direito à saúde negado às mulheres da ocupação, faz um curativo em jovem machucado que teve o atendimento negado no posto de saúde e já estava com o pé muito inflamado. 

 

Obs.: Este texto para o Brasil em 5 desafia todos os colunistas  e as colunistas do blog e outras colaboradoras a pensarem nas lutas cotidianas das mulheres, nos desafios do trabalho de base e na construção de leituras e análises de conjuntura que estejam atentas para as nossas pautas, nossas lutas e nossas construções políticas.

 

Anúncios

Um comentário sobre “As mulheres e a conjuntura

  1. Gabriel Siqueira 10/03/2016 / 00:06

    Brilha muito, camarada!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s