Ásia e América Latina na economia mundial

O Brasil em 5 publica uma entrevista de nossa colunista Mônica Bruckmann*. A Professora Mônica trata da relação América Latina – China e as possibilidades abertas para a região a partir da transformação do gigante asiático na maior economia do mundo. A entrevista é uma versão traduzida do espanhol, publicada no site da revista La Migraña, realizada pela vice-presidência da Bolívia. O entrevistador original é Sergio Callisaya. Texto original disponível em: <https://migrana.vicepresidencia.gob.bo/articulos/asia-en-la-economia-mundial/&gt;

Sergio Callisaya.– O que o ressurgimento da Ásia na economia mundial significa para a América Latina?

Monica Bruckmann.– é importante para retomar a discussão sobre a reemergência da Ásia na economia mundial e a importância dos BRICS nas políticas econômicas, incluindo reconfigurações globais e culturais. Porque a verdade é que, historicamente, a Ásia, e particularmente a China, já eram o centro dinâmico da economia mundial, pelo menos dos séculos X e XI até o final do século XVII. A China era onde a manufatura mais elaborada era produzida e exportada para a Europa, e era para a China onde todo o ouro e prata do sistema mundial daquela época iria parar, durante 8 séculos a China ocupou esse papel de centralidade; Isso explica por que em pouco mais de 30 anos deixa de ser uma economia camponesa para ser a primeira economia mundial, se medirmos seu PIB por dólar de acordo com seu poder de compra, a China desde 2014 é a maior economia do mundo, o segundo lugar, os Estados Unidos e, em terceiro lugar, a Índia, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). E as projeções para 2050 dizem que a China permanecerá em primeiro lugar, a Índia em segundo lugar e os EUA em terceiro, estima-se que das dez maiores economias do mundo, sete serão economias do sul, incluindo uma economia africana.

Estas são mudanças muito profundas e a tendência é que todo o dinamismo econômico se desloque da Europa e dos EUA para a Ásia, particularmente China e Índia. Este é um fenômeno que deve ser visto a partir dessa acumulação civilizacional que a China e a Índia tiveram como centros dinâmicos da economia mundial por oito séculos e que agora ressurgem tão rapidamente.

Esse é um grande desafio na América Latina, porque você deve primeiro entender a dinâmica desse processo e especialmente as projeções da economia mundial e, em segundo lugar, como isso afeta a América Latina. Por outro lado, há a necessidade de reposicionar a região neste contexto, pois possui reservas muito importantes de recursos naturais estratégicos que esses projetos econômicos vão demandar, por exemplo, a nova rota da seda da China que foi proposta em 2013 e que já hoje em dia é uma realidade em plena construção.

Certamente em pouco tempo estaremos, desde o início da nova Rota da Seda, enfrentando um novo ciclo de boom no preço internacional das chamadas commodities e a pergunta é: O que a América Latina vai fazer? ? Continuará reproduzindo sua inserção dependente e subordinada no sistema mundial como exportador de matéria-prima sem valor agregado? Ou, ao contrário, aproveitará essa oportunidade histórica de agregar valor à exportação desses recursos naturais para fazer cadeias de valor regionais, industrializar, subordinar essa comercialização de recursos naturais à transferência de tecnologia, à colaboração científica, industrial. É o desafio.

Neste momento, a região passa por tensões profundas, a visão hegemônica integracionista que tinha dois ou três anos atrás, desde o início do século, está enfraquecida, eu acho que em um curto período de tempo, certamente a correlação de forças políticas na região vai mudar novamente no sentido de fortalecer os governos de esquerda porque esses governos de direita que surgiram, por exemplo, na Argentina e no Brasil, que são países tão importantes para definir este processo se desgastam muito rapidamente; O Presidente Temer está governando um país como o Brasil com 1% de aprovação, gostaria de saber em que outro país poderia um presidente governar com a aprovação de 1%, há uma deslegitimação muito rápida, em menos de um ano, Temer se desgastou terrivelmente, o mesmo acontece com Macri na Argentina. Em um curto espaço de tempo, certamente teremos uma nova correlação de forças, onde a esquerda estará de volta no poder em uma maioria na região.

Essas questões precisam ser reposicionadas no debate, especialmente a necessidade de construir uma visão estratégica comum para posicionar a América Latina diante dessas profundas mudanças que estão ocorrendo, que ocorrerão com ou sem a participação da América Latina, logicamente que seria melhor com sua participação e também com capacidade de influência regional na definição dos rumos que este processo irá tomar.

SC.- Em quais nações as forças de esquerda retomariam o controle?

MB.- A Argentina está vivendo um ano eleitoral, já teve suas eleições primárias para o Congresso, até o final do ano terão as eleições que definirão o novo congresso argentino. O peronismo e o kirchnerismo estão trabalhando duro para voltar ao poder e acho que há amplas condições para que regressem ao poder na Argentina sob a liderança de Cristina Kirchner; no caso do Brasil, ainda temos um processo de disputa, mas é claro que a direita está muito deslegitimada, envolvida com questões de corrupção, 80% do Congresso brasileiro tanto na Câmara dos Deputados como o Senado têm não só evidências, mas provas de corrupção, muitos deles estão sendo processados. Eles estão tentando impedir a candidatura do presidente Lula, como ele foi condenado em primeira instância, sem qualquer prova, com evidências, mas não provas, mostrando o Poder Judiciário no Brasil, que foi capaz de produzir um golpe institucional e depor uma presidenta sem nenhum crime comprovado, isso levou a um crescente processo de mobilização popular no Brasil e a pressão daqueles que eram favorecidos pela política social do governo do PT, como os estudantes que podiam acessar gratuitamente uma universidade pública e que agora estão sendo profundamente ameaçados, tudo isso levará a uma nova correlação de forças políticas e populares, que certamente mudarão a cor do governo no Brasil.

Estamos em um momento de definições, de grandes tensões, mas a tendência, no médio prazo, é que essa direita, que visa colocar na agenda novamente um projeto neoliberal ortodoxo, a rendição da soberania, a militarização dos territórios, entrem em aliança com um poder em declínio como os Estados Unidos, ignorando o papel da Ásia na economia mundial neste momento. Que erro histórico e de falta de visão que essas direitas estão cometendo aliando-se aos Estados Unidos, que todos sabemos já perdeu a supremacia econômica. A única supremacia que mantém é a militar, mas na medida em que não pode financiar mais esta supremacia militar, a tendência é que isso mude também.

Então, vivemos momentos de grandes desafios, um deles é fazer uma avaliação crítica e honesta do que foi feito nesses 15 anos de governos esquerdistas da região, do que não foi feito, do que foi feito de errado e tudo o que devemos rever, corrigir, para um novo período de ascensão da esquerda no nível regional.

SC.- É conveniente ou não para a América Latina que a China esteja em primeiro lugar na economia mundial?

MB.- Isso depende da posição que a América Latina assume. Obviamente, a China não está interessada em uma guerra sobre os recursos naturais no nível planetário, que é exatamente o que os EUA fizeram, especialmente desde 2001, quando abre esta campanha de luta contra o terrorismo, cujo objetivo principal era a apropriação dos recursos naturais do petróleo do Oriente Médio e não as armas nucleares do Iraque.

A China representa neste momento a possibilidade de entrar em um processo de negociação de benefícios compartilhados com a América Latina, eles desenvolveram uma política para a América Latina em 2008, que diz em sua introdução “China a maior economia em desenvolvimento do mundo está disposta a negociar em condições de paz e benefício mútuo com os países da América Latina com as sub-regiões ou com a região como um todo”, e me pergunto por que a China quer negociar com a região como um todo, se sabe que perde sua posição e força na negociação, e a resposta é relativamente simples, é que a China está interessada em resolver seus problemas de soberania alimentar, de acesso a recursos estratégicos a longo prazo, não em 5 anos, mas em 20, 30, 50 anos e é por isso que uma negociação regional garante certa estabilidade nesse tipo de negociação.

O problema é que o que a América Latina fez, por falta de visão estratégica, ausência de projetos nacionais e muito menos regional, é reproduzir a condição de exportador de matérias-primas sem valor agregado, condição que tivemos por mais de 500 anos; Assim, por exemplo, em 2004, 38% e 39% das exportações totais da América Latina para a China eram matérias-primas sem valor agregado e em 2008 chegaram a 75% e 80%, ou seja, reprimimos nossa cesta de exportação da América Latina para a China. no momento em que poderíamos e deveríamos fazer exatamente o contrário, aproveitar os pontos fortes da região, aproveitar a dependência da China de recursos naturais estratégicos para negociar em outros termos, promover cadeias de valor regionais, agregar valor a esses recursos naturais, para deixar de ver os recursos naturais como mercadorias e começar a vê-los como a base para ciclos tecnológicos e ciclos industriais em desenvolvimento ou emergentes de uma economia global; Isso significa recuperar uma visão de soberania científica e tecnológica para transformar esses recursos naturais em produtos e atender o mercado mundial, não como exportadores de matérias-primas, mas como produtores em áreas estratégicas que a região deve escolher e decidir de maneira soberana.

SC.– A posição política da região está voltada para essa visão estratégica?

MB.- Infelizmente não, houve momentos muito importantes de análise deste problema e tentativas de construir uma visão estratégica comum, por exemplo, em 2012 a União de Nações Sul-Americanas – UNASUL colocou um elemento central no debate, a necessidade de construir uma estratégia de utilização dos recursos naturais para o desenvolvimento integrado dos países da UNASUL e dos povos, cuja preocupação era como aproveitar esses recursos naturais, mas não para reproduzir a matriz primária exportadora da região no sistema mundial, mas para produzir processos de aprofundamento da integração regional a partir de cadeias de valor regionais.

Uma infraestrutura ligada aos centros de produção, transformação e consumo de produtos da região que tinham instrumentos financeiros significativos para o desenvolvimento, daí surge o papel do Banco do Sul, tão importante porque se destina a financiar o que as empresas não estão interessadas em financiar porque não representa para eles um lucro imediato, mas que para o Estado interessa financiar para produzir um desenvolvimento de médio a longo prazo.

Durante 2 ou 3 anos, houve intensa discussão a nível de governos, acadêmicos e movimentos sociais sobre essas possibilidades, infelizmente, com a mudança na correlação de forças políticas na região, a chegada de Macri no Governo da Argentina, o golpe de Estado no Brasil, dois países que são importantes para impulsionar a integração regional, caiu nas mãos de pessoas que não estão interessadas na integração regional; ao ponto de declarar que não estavam interessados na submissão à UNASUL e CELAC, como fez o ex-chanceler José Serra no Brasil, mas era importante para recuperar a sua relação histórica e estratégica com os Estados Unidos. Então, essas pessoas não estão interessadas em uma visão soberana de projeto nacional, infelizmente estão ligadas exclusivamente a interesses econômicos pessoais que passam em grande parte por estruturas de corrupção e máfias locais.

SC.– Que país da América Latina estará mais bem preparado para dar um passo à frente do seu status de simples produtor de matérias-primas?

MB– Eu acho que países como Venezuela e Equador, este avançou muito nessa questão, embora seja desconhecido o que acontecerá naquele país; mas o Equador foi um dos países que viu com muita clareza a necessidade do que chamaram de mudança de matriz produtiva, fizeram seu Plano Nacional de Bem Viver no primeiro governo, depois no segundo governo de Rafael Correa onde entre seus objetivos estratégicos estava o uso soberano de recursos naturais para processos de produção, soberania científica e tecnológica e formação de talentos humanos, por isso o Equador foi em todos esses anos o país que mais investiu proporcionalmente ao produto interno bruto, em ciência, tecnologia, inovação e treinamento de seus cidadãos em nível de pós-graduação dentro e fora do Equador. O Equador tinha um Plano Nacional de Bolsas sem teto orçamentário – que eu saiba, o único país do mundo a ter algo assim -, no qual qualquer equatoriano aceito em uma das 100 melhores universidades do mundo, automaticamente tem as bolsas de mestrado e doutorado aprovadas, portanto, o Equador tinha uma consciência clara da importância da soberania científica e tecnológica para promover uma mudança de modelo de produção que levará o país a deixar de ser um exportador de matérias-primas para se tornar um país que exporta ciência, tecnologia, conhecimento e produtos industrializados.

Outros exemplos são a Argentina, que possui uma acumulação significativa de tecnologia, o Brasil, que tem um parque industrial que é o maior da América do Sul e um dos maiores na América Latina junto com o do México, por isso temos capacidades significativas, temos estruturas científicas, engenheiros, uma academia que cresceu, mas tudo isso está sendo ameaçado por esta visão neoliberal, como no Brasil que retirou pressupostos fundamentais para o desenvolvimento científico e tecnológico, que aprovou uma medida provisória chamada PEC 55 através do qual os gastos com saúde e educação estão congelados por 20 anos, com isso estão destruindo a universidade pública e gratuita que foi uma grande conquista do povo brasileiro, que foi o resultado de muitas lutas e muito acúmulo de participação popular, neste momento a universidade pública e livre no Brasil está profundamente ameaçada, bem como a instalações de produção científica e tecnológica.

SC.- E como você acha que a Bolívia está nesse contexto?

MB.- Na região a Bolívia ainda representa um dos bastiões, é possível desenvolver um projeto de transformação, mas que é como qualquer outro, tenso, que tem contradições, que têm avanços, retrocessos, mas que em geral conseguiram uma situação econômica que está bem acima do que a região alcançou, por exemplo, o crescimento econômico da Bolívia é de 4,5%, 4,6% ao ano, enquanto a região está praticamente estagnada economicamente com um crescimento abaixo de 1%.

A Bolívia representa para nós a possibilidade de desenvolver importantes processos de transformação política-econômica, que serão acumulados para novas e mais profundas transformações. A Bolívia conseguiu inventar um novo modelo de Estado que não existia na região, construímos nossos Estados nacionais à imagem e semelhança dos Estados europeus, das lutas pela independência do século XIX. A Bolívia e o Equador, quando propõem e estabelecem um Estado Plurinacional, não significa apenas o reconhecimento da existência de uma multiplicidade de nações como conformação demográfica, cultural e civilizacional, mas também as estruturas de poder de cada uma dessas nações são incorporadas a uma estrutura maior do Estado boliviano.

É um desafio teórico tremendo pensar em um modelo político diferente e ser capaz de construir uma institucionalidade radicalmente diferente da anterior, mas profundamente democratizante, e não dizendo que é perfeito, tem muito a percorrer ainda, é um projeto em construção, mas é profundamente democratizante, porque inclui uma enorme variedade de nações indígenas a uma construção cidadã maior; o fato de que a Bolívia tem 36 línguas oficiais não é uma coisa menor, isso significa que essas pessoas podem manifestar-se em todos os órgãos do Estado em sua língua materna e isso não é apenas questão demográfica e política, é uma questão muito profunda que tem a ver com identidades, com valorização da própria identidade. Os processos de colonização em nossa região foram profundamente violentos no sentido de negar identidades, negar a possibilidade de que as pessoas se expressem em suas línguas nativas e quando isso se recupera, também se recupera um estado de espírito e uma capacidade de empoderamento desses povos para tomar as rédeas do seu próprio destino, eu acho que a Bolívia representa para nós essa construção política inovadora, mas também a construção simbólica de afirmação identitária que é fundamental.

SC.- O que deve ser melhorado para enfrentar essas novas relações comerciais?

MB.- A Bolívia possui reservas muito importantes de minerais, muito estratégicas para a economia mundial, por exemplo possui cerca de 70 a 74% das reservas mundiais de Lítio, que é importante para a produção de baterias recarregáveis para dispositivos eletrônicos portáteis, para a produção de veículos híbridos e elétricos, para a possibilidade de mudar a matriz energética de energia fóssil, petróleo, gás, carvão, para energia renovável e limpa, energia eólica, fotovoltaica, energia geotérmica. Essas energias renováveis e limpas dependem muito do clima, no dia em que não há sol, nenhuma energia fotovoltaica é captada, pois, implica, para a mudança de matriz energética para este tipo de energia, grandes reservatórios de energia; Os europeus estão atualmente estudando o uso do lítio para fazer esses grandes reservatórios de energia, a Bolívia tem um mineral extremamente estratégico, nestes 3 ciclos tecnológicos, acho que o grande desafio é pensar que isso não é matéria-prima mas sim base para esses ciclos tecnológicos, e isso significa uma mudança radical de visão, já que o lítio não é mais uma commoditie.

A Bolívia não deveria se contentar em exportar carbonato de lítio ou exportar lítio bruto, por exemplo, exportar baterias de lítio, já que a Bolívia atualmente tem uma fábrica de baterias de lítio ainda em estado de teste, de protótipos, mas acho que já está ocorrendo essa mudança de visão, o que é fundamental, não apenas em relação ao lítio, mas também a qualquer recurso natural.

Também é importante a questão indígena e as tensões que existem, isso tem que ter algum tipo de distinção, a situação boliviana é muito marcada por uma certa visão de comportamento antiextrativista, que não vê que a extração de recursos naturais por si só leva a diferentes projetos, isto é, qualquer tipo de extração da natureza é o extrativismo? É preciso responder à questão do que é extraído, para os interesses de quem e quem extrai? e evidentemente como é extraído.

É falso dizer que os povos originais não usaram a natureza, esta é uma posição totalmente anti-histórica, os povos originais usaram a natureza para sobreviver, para desenvolver suas próprias decisões de vida coletiva, etc. O problema é que temos que caminhar para uma discussão sobre o que é o comportamento extrativista, o que significa extrair recursos naturais para atender a interesses estrangeiros que geram e expandem a miséria, a pobreza e o que é extrair e sob que condições para projetos nacionais a serviço do povo. Então, aqui está um debate importante que tem que ser feito não apenas na Bolívia, mas em toda a América Latina, porque toda esta região depende, em maior ou menor grau, da exportação e produção de recursos naturais estratégicos, uma mudança de visão é fundamental.

SC.– Finalmente, é mais saudável a relação comercial entre Ásia – América Latina em comparação com os Estados Unidos – América Latina?

MB.– Será saudável na medida em que a região vai aproveitar esta nova oportunidade histórica, no entanto, não o será se a região se contenta em simplesmente jogar o seu papel como um exportador de matérias-primas sem valor agregado, se isso acontecer simplesmente estaremos frente a mudança de uma hegemonia por outra, com as mesmas consequências negativas para a região; o desafio é como aproveitar essa oportunidade para o benefício da região e colocar em prática o que os próprios chineses dizem em uma relação ganha-ganha, onde ganham eles e nós; logicamente não é a China que vai nos dar estas possibilidades de negociação, é a América Latina que tem de reclamá-las e você que tem que colocá-los na mesa de negociação, aqui devemos saber que estamos negociando com um país que tem 3900 anos de experiência comercial, mas também temos 5000 anos de experiência comercial.

A civilização Caral que surge a cerca de 5000 anos atrás na costa peruana, conseguiu a partir de um importante desenvolvimento tecnológico uma superprodução agrícola, especialmente na área de algodão e foi capaz de fornecer uma ampla rede de vendas desde a região da costa peruana para o Andes, a Amazônia, a região sul do continente, inclusive com uma projeção para a América Central. Nós também temos uma experiência comercial importante, se os chineses tiveram sua rota da seda que surge 200 anos a.C. que tem seu pico no momento da era Genghis Khan no século XIII e agora é tomado como inspiração para a nova Rota da Seda do século XXI, nós na América Latina tivemos a rota do algodão, que tem de ser repensado como fato histórico, temos que reescrever e retrabalhar nossa história de ser uma das civilizações mais jovens do planeta; porque com a descoberta da civilização Caral passamos a ser uma das civilizações mais antigas do planeta, a terceira mais antiga, e, também, uma civilização que produziu ciência e tecnologia que no momento, por exemplo, o povo japonês e a NASA estão estudando.

Há 3 anos os japoneses vêm estudando a tecnologia de construção antissísmica que Caral utilizou para construir suas pirâmides – pirâmides que ainda estão de pé após 5000 anos – para aplicar essa tecnologia nas regiões mais vulneráveis a terremotos no Japão atual; Os pesquisadores da NASA estão estudando o uso da tecnologia de vasos comunicantes que Caral aplicou na irrigação e que eles entenderam que ela havia surgido apenas na Europa no século XVI e ficaram perplexos ao ver que Caral já conhecia essa tecnologia há 5000 anos.

Então nossos povos indígenas que duvidavam de sua condição humana, porque todo o debate do século XVI, quando os espanhóis chegaram a este continente, era se os índios eram seres humanos ou não, se tinham ou não uma alma, isto é, todo um debate teológico para discutir se temos ou não a condição de seres humanos; finalmente, decide-se que sim, os nativos tinham alma, portanto eram seres humanos, e portanto deviam contribuir com pagamento de impostos à coroa espanhola.

Temos que reelaborar essa visão, dos indígenas, analfabetos, daqueles que duvidavam de sua condição de seres humanos, aos indígenas que por 5000 anos foram produtores de ciência, tecnologia e que contribuíram enormemente para a civilização do continente americano; Então, isso é uma inspiração para repensar o que pode ser a rota do algodão na América Latina, que do meu ponto de vista foi o primeiro momento de intensa integração regional e não apenas comercial, mas também um dinamismo de intercâmbio linguístico e cultural – e é neste momento que se formam as raízes linguísticas dos povos originários – que é uma inspiração para pensarmos em uma nova utopia mobilizadora, uma nova ilusão mobilizadora regional que nos ajudará a reapropriar-nos de nosso futuro.

SC.- Então, o que significaria se a China deslocasse os Estados Unidos da economia?

MB.– Isso significará uma mudança radical, porque não apenas a China deslocou os Estados Unidos em termos econômicos, mas também em termos científicos e tecnológicos; Embora os Estados Unidos ainda sejam um grande produtor de marcas e patentes, que é um indicador normalmente usado para medir a produção científica e tecnológica entre países e compará-los, a China, por exemplo, está formando atualmente 26% dos cientistas e engenheiros do mundo, a Índia 23%, ou seja, 50% dos cientistas e engenheiros do mundo estão sendo formados por China e Índia, isso significa que a construção de capacidades locais para a produção de ciência e tecnologia mudará o dinamismo da produção tecnológica em um curto espaço de tempo dos Estados Unidos e da Europa para a Ásia, particularmente a China.

O maior investimento em ciência, tecnologia e desenvolvimento em todo o mundo é feito nos países da Ásia e Sudeste da Ásia (36,8%), em segundo lugar na América do Norte (29%), então tudo isso vai mudar, incluindo a supremacia em termos de produção científica e tecnológica em todo o mundo, vemos também que a tendência é que tudo seja direcionado para a Ásia.

*Monica Bruckmann é Socióloga e Cientista Politica, Professora do Departamento de Ciência Politica e do Programa de Pos-graduação de História Comparada da UFRJ; Presidenta da Agencia Latinoamericana de Informação -ALAINET

Anúncios

Um comentário sobre “Ásia e América Latina na economia mundial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s