Ciência e geopolítica na reedição do Brasil subalterno

Por Bernardo Rocha Carvalho, em colaboração especial

Todo mundo já deve ter ouvido falar que “conhecimento é poder”, um bordão que costuma aparecer elegantemente em latim: scientia potentia est. Essa é uma ideia que, pra quem acompanhou as últimas notícias sobre desenvolvimento científico no Brasil, pode ter parecido bastante oportuna. Refiro-me, por exemplo, a seis matérias publicadas apenas nos últimos dois meses no Estadão (no blog de Heitor Escobar), que tratam dos cortes lineares drásticos tanto no orçamento da maioria das universidades federais do país – “Sem dinheiro, universidades federais vivem situação de vulnerabilidade extrema, diz reitor da UFMG” – como no das agências estatais de fomento à pesquisa – “CNPq atinge teto orçamentário e pagamento de bolsas pode ser suspenso”.

Esses cortes condizem perfeitamente com as diretrizes de um governo cuja prioridade é realizar contrarreformas sociais, e que retira do horizonte da pátria ideais como o da universalização da educação, da criação e manutenção de instituições de pesquisa de ponta e da autonomia no desenvolvimento técnico-científico. Mas não só. Condiz também – e talvez principalmente – com o ideal de subalternização e alinhamento incondicional do Brasil à órbita de interesses geopolíticos dos Estados Unidos da América; movimentação cujos exemplos mais recentes são a decisão desastrada de suspensão da Venezuela do Mercosul e o pedido feito pelo Itamaraty para que a Assembleia Nacional Constituinte venezuelana fosse dissolvida: medidas que não apenas afrontam a soberania do país hermano, como prejudicam a própria força do Mercosul, afastando do bloco um dos países com que o Brasil mais tem interesses geopolíticos em comum, pelos quais deveria prezar com mais cuidado.

Mas o que há em comum entre o rebaixamento extremado do status da produção científica no Brasil e a atual inépcia de nossa diplomacia – comandada pelo vexante Aloysio Nunes?

Um exemplo contextual deve nos ajudar a responder à pergunta. Desde fevereiro deste ano o Subsecretário de Estado para Assuntos Políticos do Departamento de Estado dos EUA (análogo ao nosso Ministério das Relações Exteriores) é Thomas A. Shannon Jr.: ex-Conselheiro Político na Embaixada dos EUA em Caracas, Venezuela (de 1996 a 1999) e ex-Embaixador dos EUA no Brasil (de 2010 a 2013). Notoriamente, trata-se de alguém que possui importantes funções estratégicas no âmbito da chancelaria norte-americana e na defesa e imposição dos interesses de seu país por sobre a América Latina, e aqui eu ressalto justamente a formação educacional que o qualificou para o exercício destas funções: Shannon Jr. recebeu bolsas de estudo para realizar seu mestrado e doutorado em Ciência Política na Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Com esse exemplo procuro chamar a atenção para o fato de que há, portanto, uma relação bastante estreita entre ambas as opções governamentais mencionadas: a dissolução da comunidade científica nacional não é apenas um fim em si mesmo, correspondente a uma orientação ideologicamente neoliberal de exercício do poder de Estado; é também um meio de consolidar a dependência política – logo, econômica – do Brasil e de comprometer o progresso das relações Sul-Sul em direção a patamares maiores de soberania nacional em Nuestra America.

Nas matérias do Estadão mencionadas acima, porém, chama a atenção, nas sessões dos comentários dos leitores, a recorrência de uma ideia para solucionar ou minorar essa suposta crise orçamentária das ciências no Brasil; segundo esses leitores, o ideal seria a extinção de todo e qualquer tipo de financiamento às Humanidades, de modo que estes “gastos” possam ser redirecionados às ciências biológicas e, principalmente, às engenharias e ao setor tecnológico. Façamos uma ressalva ao fato de que boa parte dos leitores do Estadão certamente consideraria de bom gosto ter no quintal de casa uma bandeira estadunidense, e avaliemos – ainda que com base apenas no exemplo sobredito – a importância das ciências humanas para os povos que desejam construir sua autodeterminação perante o mundo.

Por fim, considerando válidas todas as iniciativas no sentido de reverter tamanho ataque à produção científica brasileira, divulgo a campanha #ConhecimentoSemCortes, que reúne assinaturas para uma petição contra os mais recentes cortes de investimentos em pesquisa, a ser entregue em uma audiência na Câmara dos Deputados, em setembro. O link para assinaturas e tomada de conhecimento sobre a campanha e sobre a gravidade da situação é: http://www.conhecimentosemcortes.org.br.

Anúncios

O SUS deve ser defendido dos golpes

Por Ramon Vieira – em colaboração especial

“Pela própria concepção do mundo, pertencemos sempre a um determinado grupo, precisamente o de todos os elementos sociais que partilham de um mesmo modo de pensar e agir…” (Antonio Gramsci – A concepção dialética da história).

Não é novidade para ninguém, muito menos para aquelas e aqueles que fazem seu pensamento funcionar com as armas da crítica, que têm apreço pela filosofia do pensamento histórico, que o nosso Brasil passa por um momento deveras conturbado.

Alia-se a tudo o que já vimos e ouvimos nos últimos 45 dias – dos absurdos e destemperos – a conjuntura tende somente a piorar. Na pauta da saúde não é diferente. São épocas de sangrenta crise do sistema capitalista e quem sempre perde nesse jogo (à medida que não se impõe de forma organizada) são os trabalhadores e as trabalhadoras (estas ainda mais, por serem mais sacrificadas. Aqui afirmamos que na atual forma organizacional do mundo as mulheres são mais e muito mais sacrificadas – na maioria das vezes por serem mulheres).

Bem, se temos em mente que quem perde nesse jogo somos nós, é preciso entender que não avançaremos sem organização. Temos visto as várias formas de luta que tem se apresentado no país, uma delas muito justa: as ocupações dos prédios das instituições que representam o estado brasileiro. O ministério da saúde não fugiu da trincheira e tem sido alvo de protestos e ocupações. Na Bahia, Minas Gerais e agora Santa Catarina e Rio de Janeiro tivemos as sedes do referido ministério ocupadas por integrantes dos movimentos sociais e populares da saúde (usuárias e usuários, trabalhadoras e trabalhadores, intelectuais e demais ativistas do campo da saúde). Há muito tempo não víamos nos movimento de saúde a utilização dessas táticas de luta, o que nos faz crer que esse setor ainda não perdeu sua capacidade de fazer política.

As denúncias são várias, as mais críticas não se limitam necessariamente aos cortes e ações absurdas do governo golpista de Michel Temer, mas conseguem apontar vários furos que os governos petistas de Lula e Dilma cometeram na pauta da saúde. A se destacar que o ministério foi feito moeda de troca na dança das cadeiras com o PMDB e a abertura do SUS para o capital privado com a PEC 358/2013. No atual governo golpista o ministério foi entregue ao senhor Ricardo Barros (PP – PR) que, diga-se de passagem, é investigado por corrupção desde as épocas de prefeitura de Maringá. Esse senhor disse que nosso Sistema Único de Saúde (SUS) é muito “grande” e deve ser “repensado”.

O movimento combativo do campo da saúde deverá ficar muito atento para as próximas movimentações, entender que a política se faz fora e dentro dos serviços de saúde e que uma sociedade saudável é aquela que combate às doenças também com luta.

#saudeéluta
#chegadegolpes

* Ramon Vieira é trabalhador da saúde  (Bacharel em Terapia Ocupacional pela UFMG) e militante das Brigadas Populares.